17.1.09

Pequenos ódios cotidianos

Sem mais delongas, eu odeio quando:

me telefonam enquanto este ser que me telefonou está comendo. Eu não preciso participar do processo digestivo alheio.

pessoas andam devagar na minha frente quando eu estou com pressa.

desconhecidos encostam em mim. Por isso eu detesto elevador.

borro uma unha já pintada enquanto pinto uma outra.

me tomam por burra, idiota, fácil de se manipular. Eu só tenho jeitinho de gente imbecil. Só o jeitinho.

3 ficando fora de si:

Pedro disse...

Tirando a parte da unha, me identifico com as demais situações. E, pior que elevador, que dura pouco (mas o suficiente para incomodar bastante), é ônibus. E a maldita lei de Murphy que nos persegue. Claro que a pessoa mais gorda que entrar vai inevitavelmente, dentre tantos bancos à disposição, escolher sentar ao seu lado e te espremer na janela.

Carol disse...

pior mesmo é quando resta apenas o lugar junto à pessoa com sobrepeso... aí ferrou! :D

caicko disse...

Pra mim, a pior parte é essa de gente desconhecida encostando em nós. Principalmente em ônibus. Argh, ODEIO. Isso aí tem que virar uma série, menina. Quero conhecer os teus demais pequenos ódios. Um beijo cotidiano.