16.10.09

para eu nunca mais esquecer quem já fui

SEM FANTASIA:

Oi.

meu nome é ana carolina. tenho 29 anos, mas envelheci mesmo aos 8, depois que meu pai morreu. tolice do cacete. não, nem tanta tolice assim. É que a porrada foi tão grande que não tive outra alternativa. aos 8 anos eu era mais velha do que sou agora e, pra mim, naquele momento, a vida se tornou um troço muito, muito sério. demorou uns anos pra eu perceber que não precisava ficar com a cara trancada pra ser gente grande (às vezes a gente faz estas confusões, né?). acho que foi no carnaval de olinda que descobri isso. eu estava bonita naquela época... 21 anos. lá rocei de leve na felicidade e, junto com ela, veio o sorriso, a liberdade da juventude.

hoje eu sou uma bobona que chora com pieguice e que gosta de música ruim. ah, como eu queria que a minha vida fosse mais colorida com pieguices. gosto de músicas que me tocam, seja uma velhona do nirvana que descobri anteontem (love buzz, ótima!), rain, da madonna, essa do wilco que tá tocando agora, aquelas da amy, principalmente as que falam de bebedeiras.tem uma em que ela fala que chorou por ele no chão da cozinha. eu já chorei no chão do corredor; no tanque lavando roupa; na frente do computador abraçada ao joelho; alto, trancada no meu quarto pra ouvirem; com o chuveiro ligado pra ninguém ouvir; agarrada com o travesseiro do meu pai, sentindo o cheiro dele ainda lá pra matar a saudade. já chorei no ônibus voltando pra casa, já chorei em avião e em ônibus interestadual. ultimamente, choro escrevendo. É bom acessar a dor assim, fazendo alguma coisa dela. alguma coisa bela.

tenho saudade daquilo que ainda não vivi. tenho saudade do que eu fantasiei mas que a realidade, essa impiedosa, me tirou. tenho saudade do que ficou no passado. tenho saudade do futuro.

tenho problemas com desapego. não gosto de pessoas saindo da minha vida. mas aprendi, na marra, que algumas pessoas saem da nossa vida e pronto. outras hão de entrar. amém.

tenho dificuldade de falar sobre a minha mãe. É tanta admiração que fica difícil colocar em palavra. gosto quando ela gargalha, gosto quando conversamos. gosto quando vejo que ela é querida por um monte de gente. tão bonita, tão corajosa, tão íntegra, tão alegre.

meu irmão se mudou e sei hoje que, sem ele aqui, sou muito mais só. sinto saudade.

leio menos que gostaria. li pouquissimos clássicos, mas baixei a obra completa de dostoievski. não li. já li paulo coelho, sidney sheldon e lya luft. achei memórias póstumas de brás cubas um saco. não entendo bem a do jorge amado. gosto de joão ubaldo ribeiro. gosto do filho dele também. rá. leio lacan. não entendo. leio de novo. amo ler freud. amo gabriel garcia márquez. chorei copiosamente com a menina que roubava livros. amo caetano. não muito o chico. não tive paciência pra pontuação do saramago. amo maria bethânia. amo vinicius de moraes e mário quintana. amo woody allen. não gostei de vicky cristina barcelona. não conheço nada de cineastas renomados. amo a arte que é acessível. não gosto de punhetas intelectualóides. não gosto de quem caga regra sem saber.

dos homens, o que me atrai é a voz, a mão e o modo como alguns honram o que carregam entre as pernas. homem tem que ser homem. ponto.

eu quero ser dj. quero ser escritora. acho que não tenho talento pra nenhum dos dois. dane-se eu.

queria que a vida fosse mais palatável. ou que eu fosse mais alienada. não, mentira. queria, não.

quero muito, quero sempre. gosto de palavras que remetem ao absoluto: tudo, sempre, muito. gosto de pronomes possessivos: meu, tua, nosso.

abraço quando amo. gargalho quando estou alegre. brigo quando tenho raiva. me encolho e calo quando fico triste. tiro meu time de campo quando saco que não rola. não sou polida. e, às vezes, acho que sou mais transparente do que deveria ser.

basicamente, é isso.

14 ficando fora de si:

Anônimo disse...

Lindo.

Laura R. disse...

Caramba! Acho que só com um abraço conseguiria demonstrar o quanto gostei do que li. Não consigo encontrar as palavras, então sinta-se abraçada.

Carol disse...

Ai, Laura! Que bom!
Tudo que eu mais queria hoje era ganhar um abraço!

:)

Pedro disse...

Ai, ai, Karooo... A vida não é mole mesmo, mas a gente vai aprendendo a jogar conforme o jogo, às vezes inventando nossas próprias regras e acreditando que elas são universais. Depois desse texto, só digo uma coisa: você é LINDA! Por fora e, melhor ainda, por dentro. Tem gente que não consegue perceber, paciência. E queira muito e sempre, e sempre mais, porque você merece! Beijo.

NaNa Caê disse...

sinceridade poética

Menarren disse...

...pedradas estilingadas à gelo quente, muito boa tua pena, como sempre..

Priscila Bispo - disse...

de teus lábios saem sábias palavras que, como música, acariciam meus ouvidos!

Carol disse...

quanta gente veio ver!
:D

Paulo Cesar disse...

Querer é do ser humano. Querer, desejar, brigar para ter, esfolar, ganhar, perder, apegar, desapegar, tudo do ser humano. Caso você queira aceditar, o último desejo humano a perecer é a fome ! Então queira tudo e muito ...

Marcelo disse...

E eu que não tinha lido, li. E amei. Pra variar. Tu é foda.

Um beijo e o seu abraço.

Pcesar disse...

Olá, Carol. Não te conheço. Gostaria de. Estou falando porque perdi. Perdi tudo e todos de uma só vez. Dói. Mas é normal. Já vi isso outras vezes, qdo. lutei na Bósnia. Tenho medo apenas de acostumar. Sua alma é pura. Cuide dea. Não deixe ninguém te raspar na parede. Boa sorte. Obrigado

Carol disse...

Deixa seu email aqui! :)

Beijo

Popys© disse...

Mocinha das filigranas... Foi assim que te encontrei e é assim que vc sempre será para mim: a moça das filigranas...
Eu me encontro em tanta coisa que vc escreveu aí... é bem verdade que não em tudo (senão também não teria graça!!! ahah), mas em muito...
Dizem que a gente não faz amigos, a gente os reconhece. Eu nunca te vi, mas te reconheci tão de cara! E é uma coisa assim boa, despretensiosa, daquelas que fazem a gente sorrir...
Que você queira sempre muito! Que você queira muito sempre! Que a sua vida seja muito, muito mais palatável!
beijinhos gordinhos,
desta sua amiga que, ainda que de longe, torce sempre pela sua felicidade!!!!!!

em tempo: você não precisa querer ser escritora... você já é!!! Faz logo o livro, porque quero o meu com dedicatória!!! eheheh

em tempo 2: também tenho uma dificuldade danada com este trem de desapego... portanto, não suma nunca!!!!

Cássia (@popysp)

farinhademandioca disse...

Ahahahahahah

Excelente. Gostei de você e do seu jeito de ser.